sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Permita-se!

Verdade: só o passado não muda!
O que aconteceu, aconteceu...
Mas o presente? Que maravilha!
É como o Sol que brilha, aquece e cria.

Por que cultivar o que já passou!
Não podemos olhar uma árvore e dizer que ela é uma semente!
Foi sim, um dia, há muitos anos...
E agora, não se parece nada com o que era.
Está irreconhecível!

Que milagre foi esse? 
Ou terá sido a vontade, o tempo e o trato?
A sabedoria de crescer e de se transformar!
Acho que é isso: evoluir, mudar.

Mas nem mesmo a árvore será eterna.
Vai mudar também nalgum momento.
 Vai parar, aos poucos, os seus florescimentos;
Mas terá deixado frutos e muitos descendentes.
Terá cumprido um ciclo com graça e competência.
Terá alimentado muitos pássaros, insetos e tudo mais.
 Quantos abrigados em cada braço!
Quanta sombra boa no mormaço!
E tudo isso aconteceu porque mudou, evoluiu, cresceu.

E agora está ai! 
No meu presente!
Na minha frente!

E quem diria que era só uma semente!...

(RRS, 1 jan, 2016)  

domingo, 20 de setembro de 2015

Ser humano

Estamos anestesiados...

O sangue não corre mais naturalmente:
É empurrado...

As idéias, não são mais nossas...

Olhamos o tempo passar, passando...

Onde está o realmente viver?

O realmente sentir? Sentir tristeza?...

Não! Sentir ser gente...

Respirar ou apenas deixar entrar e sair o ar?

Andar ou cambalear?

O que estamos fazendo com a gente?

O que estão fazendo com eles?

Não se trata de reconhecimento!
 Não é questão de justiça!

É ser apenas humano...

(RRS, 20 set. 2015).

domingo, 30 de agosto de 2015

Senda

Nas miríades estrelas do infinito
Existem razões ocultas e sagradas,
Que jamais saberemos decifrar.
Por mais que a ciência evolua,
Sempre haverá algo mais a se explicar.

E nessas dúvidas, infindáveis incertezas,
Nós caminhamos nessa senda interminável.
Onde a montanha fica mais e mais distante
Embora achando que caminhamos o bastante.

Mas, ilusão ! Apenas começamos...

Longo o caminho, muitas curvas e espinhos,
Pedras pontudas, os pés sangrando.

E, passo-a-passo, cumprimos uma jornada.

Mas só um pedaço, apenas um pedacinho.
Na imensidão do Universo inteligente
Somos um grão, apenas um grãozinho...

(RRS, 26 ago. 2015)

sábado, 8 de agosto de 2015

O que se foi e o que se vai.

Às vezes nós estamos e não estamos...
Ou já estivemos, estando mesmo!
Mas nem sempre estivemos mesmo estando...

Às vezes, estamos só, com muita gente.
Às vezes com muita gente nós estamos.
O que importa mesmo é saber que é !
Mesmo que não estejamos estando...

Às vezes, nós estamos com a presença.
Às vezes, só estamos na lembrança.
Às vezes, nós somos só um retrato.
Às vezes, somos só uma esperança.

Quem sabe uma possibilidade?
Quem sabe, uma situação real?
Quem sabe, uma ilusão necessária ?
Quem sabe, uma visão monumental ?

Mas também ser o ridículo, o crápula, o infeliz,,,
Drogado, desempregado, bêbado, abandonado...

Ser o herói, o salvador, o orgulho, a vaidade.
Irresponsável, doente, vencedor, derrotado.

Não importa o tempo que se foi.
Não importa o tempo que se vai.

Tenhamos sido ou sendo o que somos,
Com elogios ou difamações,
Com desprezos ou merecimentos,

Um pai será sempre um pai...

(RRS, 9 ago. 2015).




  

segunda-feira, 20 de julho de 2015

ILUSÕES




No meu silêncio EU me percebo TODO.
Nesse silêncio o TODO também ME percebe.

Não existimos UM sem existir o OUTRO.
Na consciência da ENERGIA VITAL.

Uma EXPANSÃO instantânea subatômica.
Num universo PICODISSIPADO.

Onde forjo situações hilárias
Na intenção de ser bom ou de ser mau.

Onde me engano sobre datas e idades
Sobre tristezas e felicidades.  

Como ME sentir materializado
Num infinito ELETROESTRUTURADO?

Estou aqui mas EU também não estou!
Sou um holograma, ILUSÃO provisória.

Onde eu construo entre códigos e signos,
Uma LEMBRANÇA do que eu chamo de HISTÓRIA.

(RRS, 20 jul 2015). 

domingo, 10 de maio de 2015

Uno

       

E então, quando uma pomba branca vier anunciar a Paz,
Será tempo de colheita!
Mas não de frutos, mas não de grãos, nem de sementes.
Será colheita de almas, brancas e puras.
Quase transparentes, quase invisíveis, de tanta luz e energia.
E será tempo do sagrado em todos nós.
E não somente no céu, como se fosse um Deus.
Todos somos deuses, mas não acreditamos nisso!
Por esse motivo, não conseguimos vê-Lo, nem senti-Lo.
Mas esse tempo vai chegar!
E o mundo será um templo só.
Com muitos deuses, com muitos homens,
Como se fossem uma só alma e um só coração.
Acredite no Uno!
Seja Uno!
E Uno será...
(RRS, 10 maio 2015)

  

sexta-feira, 3 de abril de 2015

A Sós

Colaborador Roberto Rocha

Quando nos sentimos sós; absolutamente sós no mundo,
É quando estamos em todos os lugares, com todos, e com ninguém.
Quando estamos sem ninguém, e em lugar algum,
A consciência se torna uma só.
O que vemos não existe!
O que ouvimos, não ouvimos! O que tocamos não tem pele!
O que provamos, não tem gosto!
E por que teria?
Nossa limitada percepção mal dá para as leituras superficiais do mundo.
Nossas palavras mal saem da nossa boca!
Mas quando você percebe o “todo”, tudo isso deixa de ser tão importante.
Não que seja dispensável: somos matéria!
Mas o que nos move não são carnes e ossos!
É apenas uma vontade consciente e pura.
 E nesse momento, tudo acontece.
É como se ouvíssemos uma voz a nos orientar.
A nos dizer como seguir, mesmo frente a todos os problemas e sofreres.
É um bálsamo perfumado e nobre.
Se me perguntar qual a sua origem, eu não saberei responder.
Porque não interessa explicar! Apenas sentir e agradecer.
Porque é um privilégio de poucos, embora vontade de muitos.
Alardeado mundo afora, desde tempos antigos, muitos viram luzes,
Mas elas não clarearam suas vidas.
Que luz é essa que não vem do sol?
Que se move no espaço cósmico?
Mas que pode alcançar a nós?
Que inteligência essa que não depende de cérebros?
Afinal, nós só podemos fazer comparações...
E em meio às dúvidas e às incertezas, restará você, sozinho.
Conectado com tudo e com todos; com ninguém e com o nada.
Porque o nada será tudo e ninguém serão todos.
Agradeça, chore, sinta:
Você foi abençoado...
(RRS, 03 abril, 2015)